Apesar de o modelo agrícola convencional ter proporcionado aumentos de produtividade dos cultivos e formado sistemas “aparentemente” rentáveis, ele está ligado a uma série de problemas ecológicos e socioambientais.

Resumindo: por mais que ele “funcione”, ele não funciona no longo prazo, né?

Se você ainda não se convenceu, aqui vão os principais problemas desse modelo:

  • Dependência crescente de combustíveis fósseis e a baixa eficiência energética;
  • Degradação dos recursos naturais, contaminação de alimentos e meio ambiente;
  • Uso crescente de agrotóxicos (inseticidas, herbicidas, fungicidas) e fertilizantes químicos;
  • Impacto negativo sobre a saúde dos agricultores e dos consumidores;
  • Erosão genética (perda de variedades crioulas);
  • Diminuição da biodiversidade com a simplificação dos agroecossistemas;
  • Perda de técnicas, da cultura e de saberes tradicionais dos agricultores;
  • Aumento do êxodo e da pobreza rural.

É muita coisa ruim num só lugar!

A agroecologia surgiu na contra mão de toda essa meleca, como uma forma de aumentar a prática da agricultura ecológica e incentivar cada vez mais o consumo de alimentos sem agrotóxicos

A agricultura orgânica, por sua vez, tem tu-do a ver com agroecologia. Os Alimentos Orgânicos são  cultivados de maneira sustentável, sem agrotóxicos, adubos químicos, aditivos sintéticos, antibióticos, hormônios, nem técnicas de engenharia alimentar.

Essa agricultura se sustenta em princípios de equidade, saúde e justiça e em paradigmas da ciência do solo.

Mas o que de fato é a agroecologia e qual é sua relação com os alimentos orgânicos? Vou te explicar melhor  tudo sobre o tema nesse post 😉 Vamos? 

Porque a Agroecologia é tão importante – Senta que lá vem a história =)

A agroecologia adota tecnologias e práticas de sistema de produção que exercem funções parecidas como as que ocorrem na natureza.  

Esse conceito foi desenvolvido logo após a 1ª Guerra Mundial, na Europa. Os primeiros países que começaram com a prática da agroecologia foram a Inglaterra (agricultura orgânica) e Áustria (agricultura biodinâmica). O modelo de produção em série era comum naquela época devido às ideias da Revolução Industrial.

Após a 2ª Guerra Mundial, com o objetivo de reconstruir os países destruídos e dar base ao aumento populacional, os adubos sintéticos e os agrotóxicos surgiram e daí toda essa meleca começou.

Na década de 90, o nome agroecologia passou a ser utilizado para representar a agricultura sustentável que tem como base aspectos sociais, culturais, éticos e ambientais. 

P.S.: No Brasil, Ana Maria Primavesi, conhecida como Jatobá, foi a grande defensora do movimento da agroecologia.

Ela viveu quase um século de vida, dos quais cerca de 80 anos foram dedicados a ciência ao campo. Tinha uma mente notável, era uma mulher de força incomum e um ser humano raro.

Fonte: Youtube Ana Primavesi

Continuemos…

Simplificando a parada: a agroecologia baseia-se em práticas sustentáveis, que envolvem todo o processo desde o plantio ao produto final que chega nas mesas das famílias. 

O objetivo é produzir alimentos orgânicos de boa qualidade, livres de agrotóxicos e fertilizantes sintéticos solúveis. Contribui para um uso mais consciente do solo, da água, do ar e demais recursos naturais.

A agroecologia vem mostrando que é possível produzir sem danificar o ecossistema, possibilitando a renovação natural a reciclagem dos nutrientes do solo. 

Agroecologia

Agroecologia é fazer do mundo um lugar melhor

Quais os benefícios da Agroecologia

“A diferença entre o remédio e o veneno está na dose”

São diversos benefícios que a agroecologia pode oferecer tanto para a nossa saúde, quanto para a agricultura e o meio ambiente

A agroecologia pode proporcionar uma melhoria na qualidade de vida, sustentabilidade, preservação do meio ambiente e valorização do trabalhador rural. Principalmente para os agricultores familiares, é uma ótima oportunidade de crescimento de negócio. 

Já para o meio ambiente, fornece benefícios porque não são utilizados produtos químicos que contaminam a água e matam os organismos vivos do solo, preservando o ecossistema e os animais que vivem nele.

A agroecologia utiliza técnicas parecidas com a da natureza para a produção dos produtos. Os vegetais produzidos na agroecologia são mais nutritivos e saudáveis.

Sua filosofia não está ligada apenas ao meio ambiente e sim à cultura do ser humano. Promove um pensar coletivo e prioriza a atividade familiar, derrubando a agricultura ostensiva e individualista.

Envolve questões sociais, culturais, políticas, ambientais e éticas.

Como começar a produzir de forma ecológica

O primeiro passo para começar a produzir de forma ecológica é se atentar à conservação do solo. Ele precisa ser biologicamente ativo e fértil para que o que nele for plantado possa receber todos os nutrientes necessários, para manter o equilíbrio da planta. 

O agricultor tem que saber reconhecer os sinais que a natureza dá e identificar as possíveis causas desse desequilíbrio e carência.

Quando aparecem muitos insetos ou ervas daninhas, o indicado é analisar o que causou a instabilidade no solo e fazer a reposição dos nutrientes necessários, usando produtos ecológicos

Para isso, existem algumas técnicas agroecológicas que podem auxiliar essa manutenção dos nutrientes do solo e fortalecimento das plantas. Vou explicar quais as mais fáceis de se usar a seguir.

 

Adubação Verde

Cultivo de plantas que fortalecem o solo auxiliando no enriquecimento de nitrogênio, potássio, fósforo, enxofre, micronutrientes e cálcio. Na adubação verde as plantas devem ser rústicas e possuir raízes fortes para descompactar o solo e produzir massa verde para melhorar a matéria orgânica.

Adubação Orgânica

Essa prática é feita com diferentes tipos de resíduos como: compostos fermentados, vermicomposto de minhocas, esterco curtido e biofertilizantes enriquecidos com micronutrientes. A adubação orgânica possui antibióticos naturais e substâncias de crescimento.

Adubação Mineral

Composta de adubos minerais naturais como por exemplo pó de rochas. A adubação mineral fornece em doses moderadas fósforo, magnésio, cálcio, potássio, entre outros.

Defensivos naturais

São produtos usados na agroecologia que estimulam o crescimento das plantas. Devem ser preparadas pelos agricultores e pulverizadas sobre a vegetação. Podem utilizar resíduos como: água de verme composto, soro de leite, cinzas, enxofre, biofertilizantes enriquecidos e etc.

Combinação e rotação de plantas

É uma técnica da agroecologia onde se cultiva em conjunto diferentes tipos de plantas, com raízes e necessidades nutricionais diferentes, mas que se complementam. Antes do plantio, a vegetação é incorporada no solo através de aração rasa para que os seus nutrientes sejam depositados a terra conforme vão se decompondo.  Um exemplo de plantio combinado é uma plantação de milho (gramíneas) e feijão (leguminosas).

A agroecologia faz do mundo um lugar melhor

A agroecologia tem o intuito de formar uma sociedade mais consciente e saudável. Utilizar tecnologias sustentáveis acessíveis à todos os agricultores. Visa a produção de alimentos mais saudáveis e naturais (alimentos orgânicos), usando de forma racional os recursos naturais.