Quando você compra algum alimento, tem o costume de ler o rótulo? Você entende as informações que estão nele? Meio difícil, né?

Sem você saber, muitos produtos que você consome colocam a sua saúde e o seu bem-estar em risco.

Continue lendo este post até o final para saber a importância de ler rótulos e mudar este hábito de não nos informarmos sobre o que estamos consumindo!

Nossas escolhas são poderosas. Aquilo que colocamos (ou não) no nosso prato tem impacto na nossa saúde e também no planeta. Então, cada vez mais, ler os rótulos dos alimentos que escolhemos nas prateleiras faz parte de um conjunto de boas escolhas diárias.

ler rótulos

 

Afinal, o que é o rótulo?

De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), o rótulo de embalagens é toda inscrição, legenda e imagem ou toda matéria descritiva ou gráfica que esteja escrita, impressa, estampada, gravada ou colada sobre a embalagem de um produto. Além de apresentar a marca, ele cumpre um papel definido por lei de apresentar as informações necessárias sobre a mercadoria para o consumidor.

É por meio dele que o consumidor é atraído e conhece a mercadoria, auxiliando no processo de decisão de compra.

A rotulagem 

A rotulagem de alimentos é obrigatória no Brasil desde 2001 e regulamentada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

Surgiu com objetivo de fornecer as informações nutricionais necessárias do produto e assim permitir a escolha de alimentos saudáveis, contribuindo para a diminuição de sobrepeso, obesidade e doenças crônicas degenerativas que estão relacionadas à alimentação.

Você pode estar se perguntando se a rotulagem faz diferença nos hábitos alimentares das pessoas. E SIM! Muito mais do que informar sobre o produto, a rotulagem é importante para a sua saúde.

 

Chi-chi-chi-le-le-le 

Um estudo divulgado pela Universidade do Chile, elaborado em parceria com a Universidade Diego Portales (Chile) e a Universidade da Carolina no Norte (Estados Unidos), aponta resultados positivos sobre os rótulos dos alimentos no país – o primeiro a adotar a rotulagem nutricional de advertência no mundo.

De acordo com a pesquisa, com a adoção das advertências, houve uma mudança nos hábitos alimentares da população chilena, pois os consumidores passaram a entender melhor a baixa qualidade nutricional dos alimentos ultraprocessados. 

Campanha “PÕE NO RÓTULO”

Foi pensando nessas pessoas intolerantes a alguns alimentos, que criou-se a campanha “Põe no Rótulo”.

Criada em 2014, a campanha tem como objetivo conscientizar a população não-alérgica para a necessidade da rotulagem em destaque de alimentos reconhecidamente mais alergênicos: trigo, leite, soja, ovo, peixe, crustáceos, amendoim, oleaginosas.

Neste mesmo ano, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária abriu uma consulta pública para definir quais temas entrarão na sua agenda de trabalho neste e no próximo ano. A expectativa é de que essas e outras reivindicações ligadas ao tema entrassem na pauta, tornando os rótulos cada vez mais claros, objetivos e de fácil entendimento aos consumidores.

Assim foi feito e a campanha junto à consulta pública da ANVISA trouxe resultados positivos, como a normatização da rotulagem de alérgenos em alimentos, que resultou em mais de 3500 manifestações, sendo recorde de participação de cidadãos.

O que deve conter em um rótulo?

O rótulo deve conter os dados obrigatórios e a informação nutricional obrigatória. Confira abaixo tim tim por tim tim.

Dados obrigatórios:

  • Ingredientes

Todos os ingredientes devem estar listados em ordem decrescente. Ou seja, do que possui maior quantidade para o que possui menor quantidade. Poe exemplo, se o primeiro ingrediente do seu produto favorito é açúcar ou xarope de glicose, ele tem grandes chances de não combinar com a sua saúde.

Vale ressaltar que é necessário ficar atento com alguns ingredientes que talvez pareçam estranhos.  Há ingredientes que representam uma substância, mas com outro nome. Ou seja, em vez de açúcar, você pode encontrar dextrose, frutose, maltodextrina, xarope de glicose, sacarose, etc. 

Fica a dica: os melhores alimentos são aqueles em que você reconhece os ingredientes 😉

  • Lote e prazo de validade

O lote é um número de controle da produção. Caso haja algum problema, o produto pode ser recolhido ou analisado graças a essa identificação. O prazo de validade de um produto é outra questão que pode ser levada em conta na procura por alimentos saudáveis. Quanto menor o tempo de prateleira de um alimento, isto é, quanto menor o prazo de validade, mais saudável ele é, pois contêm menos conservantes.

  • Nome e endereço do fabricante

A origem do alimento te ajudará a pesquisar mais sobre o fabricante do produto.

  • Conteúdo líquido

Este dado indica a quantidade total de produto contido na embalagem. O valor deve ser expresso em quilo ou litro.

Informação Nutricional Obrigatória

A informação nutricional é a tabela de informações relativas às quantidades de vitaminas, sais minerais, gorduras, proteínas, fibras, entre outros, por porção, contida na maioria das embalagens de produtos. Há pessoas que não compreendem o significado dessas informações, por isso vamos esclarecer o que significa cada uma.

  • Valor calórico: É o quanto o alimento fornece de energia. É calculado através das quantidades de carboidrato, proteína e lipídio.
  • Carboidrato: É um dos nutrientes que fornece energia para o organismo. Alguns alimentos fonte de carboidrato são: arroz, pães, massas, doces e açúcares
  • Proteínas: Os alimentos fonte de proteínas (carnes, ovos, leite e derivados) fornecem energia, mas sua principal função é construir os tecidos e órgãos do corpo, como os ossos e músculos.
  • Gorduras totais: É o nutriente que mais fornece energia. Pode ser de origem vegetal (óleo vegetais, castanhas) ou animal (banha, carnes, leite). Por isso, na informação nutricional, as gorduras estão subdivididas. O item “gorduras totais” representa a soma de todas as frações de gorduras, tal como as Gorduras saturadas.
  • Gorduras Trans: É a gordura insaturada modificada através de um processo industrial denominado hidrogenação (acréscimo de hidrogênio na molécula de gordura). Em produtos industrializados a ANVISA permite que esteja escrito no rótulo “livre de gordura TRANS” ou “não contém gordura TRANS” desde que a porção contenha menos que 0,2g de gordura TRANS.
  • Colesterol: gordura ligada a uma proteína.
  • Fibra alimentar: É um nutriente que o organismo humano não consegue digerir e, portanto não possuem calorias.

Agora que você já sabe sobre os dados necessários de um rótulo e as informações contidas nele, não há porquês para não ler rótulos dos produtos consumidos, não é mesmo?

Lembre-se: ler rótulos é importante e saúde vem em primeiro lugar!